Hot-dogs Brasil a fora….

fonte: Ila Fox

HOT DOG TAMBÉM É CULTURA

Junte um pão e uma salsicha e você terá um hot-dog. Agora junte isso, mais a criatividade do povo brasileiro e uma pitada de tradição local, e você terá uma infinidade de sabores!

Adoro um cachorro-quente e adoro as particularidades de cada cultura. E foi nessas de me mudar de cidades e estados onde percebi que determinados sanduíches você não encontra em nenhum outro lugar. Como não morei em tantos lugares assim, pedi uma ajudinha básica dos amigos da internet para fazer este infográfico dos cachorros-quentes pelo Brasil. E o resultado é o saboroso desenho à seguir! Nham!

Infografico de tipos de hot dogs nas regiões do Brasil by ila fox

SUL – Quem já morou em Londrina com certeza vai se lembrar do lanche do Arnaldo né? Que vai: salsicha, tomate em cubinhos e frango desfiado. Na região de Curitiba alguns levam farofa como item adicional. Normalmente é prensado, evitando que o recheio transborde.

SP INTERIOR – O típico lanchão com tudo que você tem direito: salsicha, bacon, calabresa, picadinho de carne, cebola, milho e tomate em cubinhos.

SP CAPITAL – É o clássico hot-dog com salsicha, maionese, purê, bacon, ervilha, milho, catupiry e batata palha.

RJ – Uma das combinações mais inusitadas que já vi: salsicha, maionese, azeitona, ovo de codorna, passas, alface, queijo ralado, milho, ervilha e batata palha.

MG – Em Belo Horizonte, você pode encontrar o conhecido lanche do Mangabeiras, que vai: salsicha, maionese, milho, queijo, molho com frango desfiado e batata palha.

CENTRO-OESTE – Me focando mais nos cachorro-quentes de Brasília, tem da tradicional Banca do Landi que é: salsicha, maionese, catupiry, queijo mussarela, milho, molho de tomate e batata palha.

NORDESTE – No nordeste (principalmente em Recife) o cachorro-quente é simples, mas não menos saboroso, e vai: salsicha e molho com carne moída.

NORTE – Lá do Norte, principalmente em Manaus, os sanduíches são exóticos até no nome. Cachorro-quente lá é conhecido como Kikão, e tem: salsicha, cebola, pimentão e molhos dos mais diversos, de camarão à caranguejo e cheiro-verde. E algumas variações com repolho cozido no molho de tomate, carne-de-sol, picadinho de carne e calabresa!

Lógico que muitos sabores devem ter ficado de fora. Por isso, termino este post perguntando à vocês: Como é o cachorro-quente em sua cidade? (ah, não esqueçam de falar a cidade onde moram!).

Nota…

A Ilha do Desterro perde mais um adorado filho, mais um guerreiro, um visionário artista… Mausé.

Esteja em paz.

Leia:

Homenagem do filho

Acesse:

Manjatempo

 Arte da Ilha

 

Enquete

Chef Dog 29 de julho de 2011

Nesta última sexta-feira (29/07) marcamos um “dog” em um lugar cuja indicação partira de um amigo que já nos havia indicado o “Super Dog”. Claro! Aos que acompanham os, ultimamente “esporádicos”, posts deste blog sabem que o Super Dog é uma boa dica para quem está com desejo de rango grande e bem elaborado. Assim, sugeri ao grupo que nos encontrássemos lá mesmo no tal Chef Dog, bem na esquina do Centro Comercial Camelão, onde ficava o antigo Rei Dog (que ao meu ver, de rei não tem nada). Pois bem, chegamos lá, eu e a famiiiiiiiilia toda, com direito a Bebê Conforto e tudo. Sob uma chuva torrencial, um vento sul dos infernos, e com uma larica daquelas.

O ambiente é legal, amplo, bem distribuído, com tela de LCD grande, fechado no Blindex e com aspecto de limpeza… Por falar nisto, os banheiros possuem papel toalha de boa qualidade e papel-higiênico macio com folha dupla (Quem ama cuida e nunca se sabe quando se terá uma intolerância à lactose graças a um queijo fulaninho). Com um atendimento especial (devo ressaltar que ninguém sabia que a Rota estava na área), os garçons foram testados desumanamente. Juntamos mesas, ficamos horas conversando sem pedir algo, bebemos pouco, fizemos barulho… Em vão, pois os discípulos de Jó não cederam às tentações de nos mandarem escolher logo algo e parar de “alugar” duas mesas para 6. Éramos o Diabo provocando, testando a fé dos atendentes que saíram ilesos. Pois fomos muito bem atendidos e servidos.

Quanto ao lanche, o esquema é bruto, rango grande com bastante ingredientes. Aos que me conhecem, sabem que prefiro o trivial, o tradicional Cachorro-Quente Brasileiro e de preferência sem prensar. Fui de Dogão Duplo Completo sem Chapa e não me arrependi, o lanche é saboroso, só merecia um pouquinho mais de maionese, e mesmo com todos ingredientes (bacon, semente de codorna, milho, ervilha, repolho…) mantém sua identidade. Não ouvi ninguém reclamar de algo, então entendo que todos gostaram. O Zé chegou a pegar uns imãs de geladeira… rssss.

Foi tudo muito bom, mas…. tinha que ter um “mas”.

Sim querido leitor!! Falei bem até do papel higiênico, o que será que mereceu um “mas”? Esclareço. Acredito que independente do público que você deseja atingir precisa se lembrar que muitos vão comer acompanhados de multidões de adoradores de Hot-Dog e nessa hora fica feio você dizer que “só trabalhamos com refri em lata”.

Caraca! Engenheiros perderam horas trabalhando numa invenção que nos permitisse carregar 2 litros de uma bebida para onde quisermos (inclusive para casa quando sobra mais de meia garrafa) e os cachorreiros ainda insistem na latinha. Fico chocado. Certo mesmo é o Burguer King com seu Free Refill. Rsrsrsr. Pra ganhar 5 salsichas precisa ter, pelo menos, refri de dois litros. :P

jack

Receita de Cachorro Quente – Hot dog Siluetta caliente

Hot dog Siluetta Caliente

(do site laricatotal.com.br)

Apresentação
Esse delícioso hot dog é dedicado aos combatentes que chegam do guerrilha do dia-dia querendo comer aquela chuleta com batatas soutê e molho barbacue, porém abre a geladeira e só à vista a famigerada “chauchicha”, uma mussarela meio embolorada (véio, corta esse pedaço do bolor que tá novo), uma cebola murcha e aqueles pózinhos mágicos que geralmente a mãe, ou a tia, ou a amada deixou na sua casa quando fizeram aquele prato maravilhoso nas datas comemorativas. Enfim, vai a receita do “molotov” com suas devidas adaptações em casos de substituições de ingredientes…

Ingredientes
1 Pão Ciabatta (ou francês)
2 “chauchicha”
meia cebola média
um sopro de pimenta do reino moída (ou calabreza)
um espirro de mostarda em pó (ou mostarda líquida)
1 colher de manteiga
1 tapa de catchup (ou molho de tomate)
1 porção de queijo gorgonzola (ou 3 fatias de mussarela embolorada misturada com um ximquablau de parmesão)
requeijão à gosto
1 tapa de sal
Modo de Preparo
Em uma panela, ferver as salsichas até amolecerem e soltar uma meleca amarelada na água, logo após cortar as salsichas ao meio, derreter uma colher de manteiga e fritar em uma frigideira, junto com a cebola fatiada em pequenas rodelas, adicionar também a pimenta do reino, mostarda em pó e sal a gosto.
Abrir ao meio o pão ciabatta (ou pão francês), passar requeijão, juntar a mostarda e o catchup a gosto, as salsichas fritas e as cebolas.
Derreta um pouco o queijo (apenas até amolecer sem grudar na panela, dica: esfregue um alho no fundo da panela antes de derreter o queijo) e espalhar por cima das salsichas, cebolas e os condimentos.
Pronto, agora é só fechar o pão e botar pra dentro.
Dificuldade
fácil
Porções
1
Hora Ideal
depois do trampo
Apelido do Autor da receita
Xerife marrentinho
Cidade
São Paulo
Estado
SP
Website

http://brogaria.zip.net/

“Até Quando?”

 

 

 

Clique e assista a matéria no jornal do almoço

“Rota HotDog de Luto”

O_o
 
01/07/2011 
PQP!!!
 
Declaro uma semana de luto, em nome do Rota e que julho seja lembrado como o mês que a Rota Hot Dog foi para o céu! Comida de anjo tava foda de engolir, daí mandaram chamar “O Cara”.
 
Morre, vítima de latrocínio, nesta madrugada, o Grande mestre do HotDog.
Sérgio! Que os Deuses te recebam de braços abertos. Nós só temos a te agradecer por todos os cachorros quente  que saíram das suas mãos. Fique com Deus.
Nossos mais sinceros sentimentos à família.
 
Jack
Rota HotDog.wordpress.com
 
 
 
 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.